Saúde

Incubadora inflável, de baixo custo, é criada por estudante britânico para ser usada em campos de refugiados e lugares remotos

Ao assistir um documentário sobre a guerra na Síria, o estudante de design James Robert, de 23 anos, se impressionou com o sofrimento das crianças nos campos de refugiados, em especial com a morte de bebês prematuros diante da falta de equipamentos corriqueiros na maioria dos hospitais, como uma incubadora.

A impressão virou indignação e o jovem britânico se viu na obrigação de criar uma solução viável para o problema.

James Robert, que estuda na Loughborough University, na região central da Inglaterra, desenvolveu uma incubadora inflável, de baixo custo, que pode ser levada para lugares remotos e com poucos recursos.

O equipamento, a Mom Incubator, consiste numa caixa plástica, no formato de uma valise, que se expande ao ser aberta e assume as dimensões de uma incubadora convencional.

As paredes laterais são de plástico maleável e precisam ser infladas, o que pode ser feito por sopro.

A temperatura e a umidade estáveis necessárias aos bebês são controladas eletronicamente, assim como a iluminação para o tratamento da icterícia, cor amarelada da pele causada pelo aumento da bilirrubina no sangue, comum nos recém-nascidos.

Além de uma tomada comum, a incubadora inflável de Robert pode ser carregada por gerador e até por bateria de carro.

O protótipo construído pelo estudante britânico custou 250 libras (cerca de mil reais), contra 30 mil libras (pouco mais de 120 mil reais) de um equipamento convencional.

Estima-se que, a cada ano, 150 mil crianças venham ao mundo em campos de refugiados e áreas de conflito.

Cerca de 27,5 mil delas morrem por falta de cuidados e equipamentos básicos, como uma incubadora.

Robert lembra que as unidades de terapia intensiva neonatal foram criadas em 1922, mas, quase cem anos depois, a morte de recém-nascidos ainda é um grande problema em várias parte do mundo.

“Acredido que meu projeto ajude a resolver esse problema e possa permitir que algumas crianças tenham um início de vida positivo, diminuindo o número de morte de prematuros em campos de refugiados”, disse o jovem ao site FastCompany.

A incubadora inflável rendeu a Robert o James Dyson Award for Student Design, importante prêmio britânico para estudante de design.

Por Antônio Martins Neto

Editor do Blog Mundo Possível

Leave a Reply